Follow by Email

Thursday, March 27, 2008

Corpo de Cristal


Bailarina
Lançada no espaço
Não morrerá
Continuará assim,
Vagueando
Nem na vida, nem na morte.
Bailarina
Corpo de cristal
Foi quebrada
Estilhaçada
E dos cacos dos seus olhos
Surgiam lágrimas
Puras como violetas
Possuindo a sua alma
Transbordando
De néctar purpúreo .
E ela dançava bebendo as violetas
Embriagando-se na sua paixão.
Dançava
À beira de vulcões
Acesos no seu corpo
E rodopiava
Sobre nenúfares
Pousados
Nos lagos
Dos seus olhos.
Agora é de noite
E a bailarina
Que não vive nem morre
Nunca esteve nua.
Era uma figura do sonho, uma recordação.
O seu corpo era uma nuvem
Dessas que ficam esquecidas depois da tempestade.
Agora ficará à deriva
Como um candeeiro que se acende na escuridão
E acender-se dentro do mais escuro
Para dele fazer um coração.
É por isso que a bailarina entra no labirinto e sai
Porque ao dançar
Acende uma luz
Que ilumina a escuridão.

1 comment:

Anonymous said...

Gee.... Até parece que isto tem qualquer toque de "bom" loool