acoliveira@aeprosa.pt

Tuesday, April 17, 2007

Mulheres que passam em Évora



No regresso utilizámos o dinheiro ganho com a venda dos programas para podermos assistir a um espectáculo de uma companhia profissional de Évora. O espectáculo chamou-se Mulheres que passam e foi encenado pelo Figueira Cid. No fim falámos com os actores e podemos dizer que fomos todos um pouco mais ricos para casa. Obrigada a todos (Câmara de Faro, Escola, pais) os que nos proporcionaram esta possibilidade de enriquecimento interior.

A vida é feita de pequenos nadas


E como a vida é feita de pequenos nadas, queremos agradecer o gesto da professora Elisabete Santos, ao tomar todas as diligências para que o grupo recebesse no palco da Póvoa um ramo de flores. Também ela chegou ao nosso coração.

O espectáculo na Póvoa


O Grupo de Teatro da nossa Escola foi apresentar o seu trabalho à Póvoa de Varzim, integrado no VII Encontro de Teatro Escolar daquela cidade. Levámos a nossa mais recente criação, já apresentada na escola: Qual é a distância que vai do meu coração ao teu?
O público foi muito difícil ao princípio mas aos poucos foi-se rendendo ao texto e à verdade que os nossos actores impunham às cenas. No final do espectáculo, o grupo de Teatro da Escola da Póvoa de Varzim veio felicitar-nos pessoalmente, dizendo que tínhamos, de facto, tocando no seu coração. Com a mudança do espaço de representação do exterior para uma sala de teatro, tivemos de fazer algumas alterações. A mais evidente foi a da transcendência a partir da pedra. Aí, em vez do Marc subir à árvore, descia do tecto do palco através de uma corda com roldana. Foi um momento surpreendente que enquadrou na poesia do espectáculo.

Saturday, April 14, 2007

Póvoa de Varzim forever!!!


Bravo Tapetinhos!

Sinto-me orgulhosa de vocês. O público difícil foi domado e essa é a maior prova de fogo pela qual um actor pode passar. Agora é o descanso dos guerreiros e das amazonas.
Qual é a distância que vai do meu coração ao vosso? Nenhuma.