Follow by Email

Wednesday, May 20, 2015

Saturday, May 16, 2015

Sara Pimenta

Chegou tímida e muito menina. Dona de uma voz ímpar, sempre se mostrou disponível para aceitar todos os desafios. Levava a guitarra, mesmo quando não era necessária, nunca reclamou do guarda-roupa, foi generosa até ao último momento. Mesmo depois das palmas. Um beijo muito grande, Sara. Foi um prazer trabalhar contigo.

Wednesday, May 13, 2015

Irene Rossas Amaral

Depois de quatro meses a trabalhar com os utentes da APPC posso dizer que retirei imenso desta experiência. Agora já sei como interagir com eles. Cometi erros mas, graças a eles, espero não voltar a repeti-los. Se alguma vez voltar a trabalhar com eles vai ser muito mais fácil e não me irei fechar no meu mundo!
Fiz novos amigos, que não são como eu, que são diferentes, mas que possuem um grande coração. Depois de os ver trabalhar, estou orgulhosa de todos.

Monday, May 11, 2015

As voltas que a vida dá

A peça "O meu Soldadinho de Chumbo" inicia-se com os actores todos no palco. Ao fim de uns minutos começa-se a ouvir uma música bonita, da autoria de J.S. Bach, que dá mesmo vontade de acordar. Os habitantes da cidade espreguiçam-se, levanta-se e saem para a rua.
Um casal apaixona-se. Ela está numa cadeira de rodas e ele caminha ao lado dela. A cidade vê aquela ligação de diferentes e aponta num gesto de discriminação. No entanto, os que têm dedos acusadores, acabam por perceber que o amor supera tudo e tem força sobre tudo.
Dias depois os homens recebem uma carta para irem para a guerra em África.
O casal principal casa e comemoram o casamento dançando ao somde uma valsa muito triste. Despedem-se com uma noite de amor, antes dele partir. Durante a ausência do companheiro ela começa a recuperar e dá os primeiros passos.
Por ironia do destino o protagonista é alvejado durante a guerra e acaba numa cadeira de rodas, como a amada estava. Mas ele regressa para os braços da sua amada e da sua filhinha que ainda não conhecia e o casal mostra que o Amor ultrapassa todos os obstáculos. A última música deixa uma mensagem de esperança.
                                                                                                                  Fernando Silva